Ao encontro de Deus - William Gomes 10/06/2007


Casebre no meio do vazio
Vadio em busca do balanço
Canso e páro o tempo
Vento o preto da noite
Foi-se mais um estrela
Vermelha da boca celeste
Esteve comigo na minha viagem
À margem do vago riacho
Cacho de fruta madura
Que dura até que despenca
E pensa que lá no alto era melhor
Corre que o sol não tem pena
Despena as horas num tempo só
Pode ser que ele cessa
Apressa, o curto é intervalo
Eu falo o que vem primeiro
Ligeiro eu penso num jeito
Sujeito quem te deu esse nome
De fome matou a própria sede
Na rede descansa
Na dança sem graça
Passa a mão no peito e dorme
Acorde pra vida
Que a fila do martírio cresce
E padece o pacóvio
De ódio erra o caminho
Sozinho vai ao encontro de Deus
Que lhe deu uma vida pacata
E ata as suas mãos
Que são de pura aflição
Em vão retoca tua alma
E acalma o fim do mundo
Vagabundo passa pelo paraíso
Arisco corre ruas e vielas
E ela o atiça em suas pernas
Magrelas as sombras somem no horizonte.

3 glosas.:

Sinara disse...

Muitooooo maaassa
não o q te deu pra escrever .... huahahu
serio muito massa
beeejão
continua ...

Sinara ...

binhobrill disse...

Filho, com tal obra vc quase me obriga a desistir de escrever.
E ainda tenta me convencer que as tolices que faço não são constrangedoras. Fala sério, rapá!

Continue escrevendo, o mundo precisa disso.

Valeu!

Anônimo disse...

concordo com Binhobril.!
naum sei pq tbm a existencia desse
jovem, para q eu faça um blog,
s me envergonho ao ver coisa como essa..!

vlw William
continue.!!!

And Sevlla..
anonimo...rsss