Transbordar

Sentado na janela vejo a chuva entrar
Pelo telhado, furado, quebrado, culpado
A poça se espalha em cada lajota, tortas
Pelo rejunto se escorrem a transbordar

De pé na janela olho os móveis a molhar
N'água me olham com a alma a alagar
Foram-se encosto, assento e adjunto adnominal

Arrisco-me a saltar e despedir do temporal.

7 glosas.:

william disse...

N.A.: O título era pra ser Ereção, mas poderia distorcer minha real intenção.

dani.ella disse...

a chuva inunda nossos olhos
que refletem a chuva a partir daí

ela transborda pelo seu poema
:)

Vanessa Gomes. disse...

Teu poema transborda em minha mente. Sim, sim.

Se sente.

Juliana disse...

como assim era pra ser ereção, minino? rai ai... olha a saliência!

AndLogo disse...

Diferentes títulos, conseguir ver de muitas formas ... muito bom!

Fabiano Che disse...

Já tava com saudades do William meticuloso e instigador de sempre

Giuliano Marley disse...

Ereção? [toin]