Filantropia

Numa agência bancária não há nada que mantenha sua visão atenta por muito tempo. Consequentemente, só me resta ouvir a dialética que se manifestava entre um casal situado a dois indivíduos à minha frente. Ele começa com um suspiro:
- Esta fila parece que anda pra trás.
- Logo hoje que estou com pressa. – ela o responde confirmando que a insatisfação é mesmo contagiante. Sobretudo, em fila.
- Faz muito tempo que aquela mulher está no caixa 3.
- As pessoas deixam pra resolver as coisas tudo de uma só vez.
- Adido a isso, ainda temos de submeter ao moroso atendimento desses funcionários.
- Só são ágeis quando o horário de serviço chega ao fim.
- Eles são como os funcionários públicos: ganham bem por pouco trabalho.
- Não há mesmo explicação para aquelas fisionomias hostis.
- Aquiesço, até porque nem tudo tem explicação. Lembra do desaparecimento da filha do nosso vizinho? Ainda não sabemos o motivo, mas sei que ele não anda muito preocupado. Pudera, quase todo dia o vejo naqueles bares. Chega em casa só de madrugada. Nem se preocupa em providenciar um emprego.
- E tem a vizinha da frente que não cansa de receber cobradores à sua porta. Só ontem vi três de diferentes empresas. A meu ver, tem uma vida de conforto pelas compras mensais que faz. O desconforto fica por conta dos cobradores mesmo. E ainda, seus filhos não trabalham nem se preocupam com o futuro.
Após vinte minutos, toda a rua já havia sido asfaltada por comentários desprezíveis como esses. Por que ser figurante no drama alheio do que protagonista da própria comédia?
-Sua vez, senhora.
-Ah, nem vi que o tempo passou depressa.Realmente, talvez porque não tinha reparado que seu relógio parou antes de colocá-lo no pulso enquanto notava a vizinhança e suas particularidades.

4 glosas.:

binhobrill disse...

É do ser humano se "preocupar" com o próximo.

Amém!
rs

Vanessa Gomes. disse...

E sabe por que eu gosto daqui?
Você constrói as histórias de maneira muito bem articulada. Prende a atenção com esse jeito largado e refinado ao mesmo tempo.
Faz com que uma situação simples torne-se numa boa reflexão.

Como disse "binhobrill", é do ser humano se preocupar com os outros.

=)

Giuliano Marley disse...

FMDO… em breve em atestadopedante.blogspot.com

[…]

Falar Mal dos Outros é um dom de muitos… isso dá câncer…


AH, RESPIRA PRA LÁ! RESPIRA PRA LÁ!

AndLogo disse...

Esse preocUPAR do ser humano, me preocupa Binho.